quinta-feira, 20 de março de 2014

Carlos Villagrán, o Kiko, prepara livro eletrônico



Ter à frente Carlos Villagrán é lembrar de um personagem que, ainda hoje, segue ganhando fãs, mas sobretudo gargalhadas ao vê-lo nos capítulos de Chaves.
Aos seus 70 anos, o ator recebeu Publimetro em sua casa e falou sobre o novo livro eletrônico que publicará pela internet, suas piadas com jogadores como Neymar, Maradona e Messi, assim como sua relação de “amor e ódio” com Roberto Gómez Bolaños.
“O melhor é estar agradecido com a vida. Através do tempo, o ser humano tem que inventar palavras como indescritível. Tenho 45 anos de carreira, com o Chaves se completará 43. São quatro gerações que vi passar, a quem sigo fazendo rir com algo que Deus me deu, como são as bochechas infladas”, disse o ator em sua casa em Guadalajara, onde vive há seis anos.
Aos seus 70 anos, o ator prepara um livro eletrônico cheio de piadas e histórias, nas quais se sobressaem algumas com jogadores de futebol.
“Com o tempo recebi cartas de jogadores, minha paixão é o futebol, e tive a oportunidade de conhecer Neymar, que é fanático pelo Kiko, depois me mandou uma foto de Messi, que celebrou o recorde de gols no Barcelona, fizeram uma festa e ele se disfarçou de Kiko, para mim foi uma honra. Em outra ocasião, Diego Armando Maradona me convidou à sua casa em seu aniversário, e deixou dito que quando chegasse o Kiko, que o avisassem por rádio. Quando cheguei, lhe disseram: ‘Diego, chegou o monstro’. Saiu, me carregou e levou até a sala e me disse: ‘esta é sua casa’”.
Ao lhe perguntar se guarda rancor de Roberto Gómez Bolaños, respondeu: “Não, imagine, tantos anos, para que serve o rancor, machuca a pessoa. Me perguntam porque não falo com Chespirito, e lhes respondo que porque ele não retorna minhas chamadas. Fui à homenagem que lhe fizeram na Televisa em 2000, com meus filhos, mas me esconderam em um escritório e me passaram ao palco assim que terminou a homenagem. Na segunda homenagem, não fui porque não me convidaram, nem tiveram a decência de querer-me lá, e tenho dignidade. Eu disse que não a Emilio Azcárraga por amor próprio, há coisas que não se fazem. 
Momentos de sua vida
Brasil
“Fui embaixador de Porto Alegre em 2013. Os maiores fanáticos estão no Brasil, em relação ao Kiko, e este ano há muitas chances de voltar para o Mundial”.

Saúde
“Me mataram três vezes, fui a dois velórios meus, pelo menos tomei café grátis (risos). Me mataram no terremoto de 1985, e outra quando disse ‘cale-se, cale-se, que me deixa louco’, e dizem que me arrebentou uma veia, a verdade é que estou muito bem aos 70 anos.

Veto
“Emilio Azcárraga me chamou quando me tiraram do Chaves, me ofereceu um programa, mas supervisionado por Chespirito, e lhe disse: ‘há diferenças entre ele e eu, não sabem m… suas diferenças’, assim que respondi que não ficaria. Me vetaram por 20 anos, já passou, mas agora eu que veto [a Televisa]“.

Livro digital
Villagrán contará suas histórias através de sua página http://www.carloskikovillagran.com
O ator contará histórias, piadas e situações muito dramáticas, compartilhando suas vivências por toda a América, país por país, além de coisas por trás das gravações, que não foram vistas na televisão. O livro será lançado em maio.


Via: Publimetro/Fórum Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário